Código Civil – Art. 1 a 333

Código Civil – Art. 1 a 333


Law No. 10,406, OF JANUARY 10, 2002 INDEX Validity Law of Introduction to the Norms of Law
Brazilian (See Law No. 13,777 of 2018) Institutes the Civil Code. THE PRESIDENT OF THE REPUBLIC
the National Congress decrees and I sanction the following law:
PARTEGERAL BOOK I
OF PEOPLE TITLE I
NATURAL PEOPLE CHAPTER I
Personality and Ability Art. 1 Everyone is entitled to rights
and duties in the civil order. Art. 2 The civil personality of the person begins
from birth with life; but the law saves, from conception, the rights of the unborn child. Article 3 They are absolutely unable to exercise
personally the acts of civil life the smallest 16 (sixteen) years old. (Wording given by
Law No. 13.146 of 2015) (Duration) I – (Repealed); (Wording given by Law
No. 13,146 of 2015) (Duration) II – (Repealed); (Wording given by Law
No. 13,146 of 2015) (Duration) III – (Repealed). (Wording given by Law
No. 13,146 of 2015) (Duration) Art. 4 They are incapable, in relation to certain
acts or how to perform them: given by Law No. 13.146 of 2015) (Duration) I – those over sixteen and under eighteen
years; II – the usual drunken and addicted to
toxic; (Wording given by Law No. 13.146, 2015) (Duration) III – those who, because of transitory cause
or permanent, cannot express their will; (Wording given by Law No. 13.146 of 2015)
(Validity) IV – the prodigals. Single paragraph. Indigenous capacity
shall be governed by special legislation. (Wording given by Law No. 13.146 of 2015)
(Validity) Art. 5 Minority ceases at eighteen
when the person becomes qualified the practice of all acts of civil life. Single paragraph. It will cease for minors
the disability: I – by the granting of the parents, or one of them
failing the other by means of a public instrument, regardless of court approval,
or by judgment of the judge, after hearing the guardian, if the minor is sixteen years old; II – by marriage; III – for the exercise of public employment
effective; IV – for the graduation in the course of education
higher; V – by the civil or commercial establishment,
or the existence of employment relationship, since, because of them, the smallest with
sixteen full years have their own economy. Art. 6 The existence of the natural person ends
with death; it is presumed that the absent ones in cases where the law authorizes the opening
of final succession. Article 7 Presumed death may be declared,
without decree of absence: I – if death is extremely likely
whose life was in danger; II – if anyone, missing in campaign
or taken prisoner is not found until two years after the end of the war. Single paragraph. The declaration of death
presumed in such cases can only be after exhausting the searches and
inquiries, and the judgment shall fix the probable date of death. Article 8 If two or more individuals die
at the same time, it cannot be ascertained if any of the comorients preceded the others,
simultaneously presumed dead. Article 9 The following shall be registered in the public register: I – births, marriages and deaths; II – emancipation by parental grant
or by judgment of the judge; III – the prohibition for absolute incapacity
or relative; IV – the declaratory sentence of absence
and of presumed death. Art. 10. Registration will be made
public: I – the sentences that decree the nullity
or marriage annulment, divorce, judicial separation and restoration
of marital society; II – judicial or extrajudicial acts
who declare or acknowledge affiliation; III – (Repealed by Law
No. 12,010 of 2009) CHAPTER II
Personality Rights Art. 11. Except in the cases provided for in
in law personality rights are non-transferable and non-assignable, not
its exercise may be limited voluntary. Art. 12. The threat may be required to cease,
or injury to the right of personality, and claim damages and damages without prejudice to
other sanctions provided by law. Single paragraph. When it comes to the dead,
will have legitimacy to request the measure provided for in this article the surviving spouse,
or any straight or collateral relative up to the fourth degree. Art. 13. Except for medical requirement, it is
stop the act of disposition of one’s own body, when importing permanent decrease in
physical integrity, or contradict the good mores. Single paragraph. The act provided for in this article
will be admitted for transplantation purposes in manner established by special law. Art. 14. It is valid, for scientific purposes, to
altruistic, the free disposal of the own body, in whole or in part, to
After death. Single paragraph. The act of disposition may
be freely revoked at any time. Art. 15. No one shall be constrained to
life-threatening treatment doctor or surgical intervention. Art. 16. Everyone has the right to a name,
the name and surname included therein. Art. 17. The name of the person cannot be used
by others in publications or representations that expose her to public contempt, yet
when there is no defamatory intention. Art. 18. Without authorization, one cannot use
the alien name in commercial advertising. Art. 19. The pseudonym adopted for activities
lawfully enjoys the protection afforded to name. Art. 20. Unless authorized, or if necessary
the administration of justice or the maintenance public order, the dissemination of writings,
the transmission of the word, or the publication, exposure or use of the image
of a person may be prohibited under his without prejudice to the indemnity
that fit, if the honor is attained, the good reputation or respectability, or if they are intended
for commercial purposes. (See ADIN 4815) Single paragraph. When it comes to the dead
or absent, are legitimate parties to require this protection the spouse, the ascendants
or the descendants. Art. 21. The private life of the natural person
inviolable, and the judge, at the request of the concerned shall take the necessary steps to
to prevent or stop contrary act to this standard. (See ADIN 4815) CHAPTER III
Absence Section I
From the Curation of the Absent Goods Art. 22. Disappearing a person from his domicile
without hearing from her, if she has not left representative or attorney who is responsible for administering
the property, the judge, at the request of any public prosecutor shall declare
absence, and will appoint him healer. Art. 23. The absence shall also be declared,
and shall be appointed healer when the absent representative who does not want or cannot
exercise or continue the term of office, or if powers are insufficient. Art. 24. The judge, who appoints the curator, shall determine
the powers and obligations, as circumstances warrant, observing, where applicable, the provisions of
about tutors and healers. Art. 25. The spouse of the absent, whenever
not judicially separated, or from fact for more than two years before the declaration
of absence, will be your rightful healer. § 1 In the absence of the spouse, the curatorship of
property of the absent is the responsibility of the parents or descendants, in this order, there being no impediment that
inhibits them from holding office. § 2 Among the closest descendants
precede the most remote. Paragraph 3. In the absence of the persons mentioned, it is incumbent upon
the judge to choose the healer. Section II
Of Provisional Succession Art. 26. After one year of collection
of the absentee’s property, or if he has left representative or prosecutor, in the course of three years,
interested parties may request that they declare absence and provisionally open succession. Art. 27. For the purpose provided for in article
only consider themselves interested in: I – the spouse not judicially separated; II – the presumed heirs, legitimate or
wills; III – those who have the property of the absent
right dependent on his death; IV – creditors of overdue obligations
and not paid. Art. 28. The sentence that determines the opening
provisional succession shall only have an effect one hundred and eighty days after it was published by
press; but as soon as it passes judgment, the will will be opened,
if any, and the inventory and sharing of goods, as if the absent were deceased. Paragraph 1. After the term referred to in art.
26, and having no interest in the succession provisional, the Public Prosecutor
request it to the competent court. § 2 not appearing heir or interested
to require inventory up to thirty days after passing the judgment that
order the provisional succession to be opened, collection of absentee goods by the
established in arts. 1,819 to 1,823. Art. 29. Before sharing, the judge, when
deem convenient, will order the conversion movable property, subject to deterioration
or misplacement, in real estate or in securities guaranteed by the Union. Art. 30. The heirs, to imitate themselves in the
possession of the property of the absent, will give guarantees of their return, by means of pledges
or mortgages equivalent to the respective shares. Paragraph 1. One who is entitled to provisional possession,
but cannot provide the required warranty in this article will be deleted while remaining
the assets that were due to him under the administration of the healer, or other designated heir
by the judge, and to provide this guarantee. § 2. The ascenders, the descendants and the
spouse, once their quality is proved heirs, may
guarantee, enter into possession of the property of the absent. Article 31. The properties of the absent may only be
alienate, not by expropriation, or mortgage, when ordered by the judge, to
avoid their ruin. Article 32. Having sworn in the assets, the successors
will represent active and passively the absent, so that against
they will take the pending actions and the ones that in future to that one are moved. Art. 33. The descendant, ascendant or spouse
provisional successor of the absent shall make its all the fruits and income of the goods
that fit it; the other successors, however, they should capitalize half of these
fruits and yields in accordance with art. 29, according to the representative of the
Prosecutor, and provide annually accounts to the competent judge. Single paragraph. If the absent appears,
and prove that the absence was voluntary unjustified, he will lose in favor of the
successor, his share in the fruits and income. Art. 34. The excluded, according to art. 30, from
provisional possession may, justifying lack of means, to be given half
of the income from the fair share that would touch him. Art. 35. If during provisional inauguration
prove the exact time of death of the absent, On that date, succession
in favor of the heirs, who were to that time. Art. 36. If the absent appears, or if
prove the existence, once established provisional possession shall cease as soon as
advantages of the successors imitated therein, however, obliged to take the enforcement measures
until the goods are delivered to their owner. Section III
Of Ultimate Succession Art. 37. Ten years after the res judicata
the judgment granting the opening of the succession interested parties may apply for
the final succession and the lifting of deposits provided. Art. 38. The definitive succession may be requested,
also, proving that the absent counts eighty five years old and dating from the last
news of him. Art. 39. Returning the absent in ten years
following the opening of the final succession, or any of their descendants or ascenders,
that or these there will be only the existing goods as they are, the surrogates
instead, or the price the heirs and other interested parties have received by
alienated goods after that time. Single paragraph. If in the ten years
this article refers to, the absent does not return, and no interested promote succession
definite, the collected goods will pass the domain of the Municipality or the Federal District,
if located in their respective circumscriptions, joining the domain of the Union when
located in federal territory. TITLE II
OF LEGAL PEOPLE CHAPTER I
General Provisions Art. 40. The legal entities are of law
public, internal or external, and by law private. Art. 41. Are legal entities of law
internal audience: I – the Union; II – the States, the Federal District and the Territories; III – the Municipalities; IV – the municipalities, including the associations
public; (Wording given by Law No. 11,107, 2005) V – other public entities
created by law. Single paragraph. Unless otherwise specified,
legal persons governed by public law, private law structure,
shall, as appropriate, govern their operation, by the rules of this Code. Art. 42. Are legal entities of law
external public the foreign states and all persons governed by law
public international. Art. 43. The legal entities of law
internal public are civilly responsible by acts of its agents which as such
cause damage to third parties, except for the right regressive against the perpetrators of the damage if
there is, on their part, guilt or intent. Art. 44. Are legal entities of law
private: I – the associations; II – the companies; III – the foundations. IV – religious organizations; (Included
Law No. 10,825, of December 22, 2003) V – the political parties. (Included by
Law No. 10,825, of December 22, 2003) VI – Individual Liability Companies
limited. (Included by Law No. 12,441, of 2011) (Term) Paragraph 1. The creation, organization,
internal structuring and functioning religious organizations, being prohibited
to the public power denying them recognition or registration of the constituent and necessary acts
to its operation. (Included by Law No. 10,825, dated 12.22.2003) § 2 The provisions concerning associations
apply in the alternative to companies which are the subject of Book II of the Special Part
of this Code. (Included by Law No. 10,825, of 22.12.2003) Paragraph 3. Political parties shall be organized
and will function as provided by law specific. (Included by Law No. 10,825,
of 22.12.2003) Art. 45. The legal existence of people begins
of private law with the inscription of the act of incorporation in the respective register,
preceded, where necessary, by authorization or approval by the Executive Power, including
in the registry all the changes why pass the constitutive act. Single paragraph. Decay in three years the right
annul the incorporation of legal entities private law, by virtue of the respective act,
after the deadline of publication of your application in the registry. Art. 46. The registry shall declare: I – the denomination, the purposes, the seat, the time
duration and social fund, if any; II – the name and the individualization of the founders
or founders, and the directors; III – the manner in which it is administered and represented,
actively and passively, judicially and extrajudicially; IV – if the constitutive act is reformeable
with regard to administration, and how; V – whether or not the members respond, in the alternative,
by social obligations; VI – the conditions of extinction of the person
and the destination of its assets, in this case. Article 47. The legal entity is obliged to perform
directors, exercised within the limits of their powers defined in the constituent act. Art. 48. If the legal entity has management
decisions will be taken by the majority votes of those present, unless the constituent act
dispose differently. Single paragraph. Decay in three years the right
annul the decisions referred to in this violate the law or statute,
or are riddled with error, deception, simulation or fraud. Art. 49. If the administration of the legal entity
If the judge fails, at the request of any interested, shall appoint him as provisional administrator. Art. 49-A. The legal person is not confused
with its partners, associates, institutes or administrators. (Included by Law No.
13,874 of 2019) Single paragraph. The patrimonial autonomy
of legal persons is a lawful instrument risk allocation and segregation
by law with the purpose of stimulating enterprises, for job creation, tax, income
and innovation for the benefit of all. Art. 50. In case of personality abuse
characterized by the deviation of purpose or by the confusion of property, can the judge,
at the request of the party or the Ministry Public when it may intervene in the proceedings,
disregard it so that the effects of certain and certain bond relationships
extended to the private property of directors or partners of the legal entity
benefited directly or indirectly by the abuse. (Wording given by Law No. 13.874,
from 2019) Paragraph 1. For the purposes of the provisions of this article,
purpose deviation is the use of the legal person for the purpose of injuring
creditors and for the commission of unlawful acts of any kind. (Included by Law
No. 13,874 of 2019) Paragraph 2 – Equity confusion
the absence of de facto separation between heritage, characterized by: (Included
Law No. 13,874 of 2019) I – repetitive fulfillment by society
obligations of the partner or director or vice versa; (Included by Law No. 13,874,
from 2019) II – transfer of assets or liabilities
without actual consideration, except for the of proportionally insignificant value;
and (Included by Law No. 13,874 of 2019) III – Other acts of breach of autonomy
patrimonial. (Included by Law No. 13,874, from 2019) § 3 The provisions of the caput and §§ 1
and 2 of this article also applies to the extension obligations of partners or directors
to the legal entity. (Included by Law No. 13,874 of 2019) Paragraph 4. The mere existence of an economic group
without the presence of the requirements the caput of this article does not authorize the disregard
of the personality of the legal entity. (Included Law No. 13,874 of 2019) Paragraph 5 Does not constitute deviation of purpose
the mere expansion or change of purpose specific economic activity
of the legal entity. (Included by Law No. 13,874 of 2019) Art. 51. In cases of dissolution of the person
legal or withdrawal of authorization to its functioning, it will subsist for the
settlement purposes until it is concluded. Paragraph 1. In the register where the person
registered, the endorsement of its dissolution. Paragraph 2. The provisions for liquidation
applicable, where applicable, to other legal entities governed by private law. Paragraph 3. Once the liquidation has been concluded,
the cancellation of the registration of the legal entity. Art. 52. It applies to legal entities,
where appropriate, the protection of of personality. CHAPTER II
ASSOCIATIONS Art. 53. Associations are constituted by the
union of people who organize themselves for not economical. Single paragraph. There are no members
reciprocal rights and obligations. Art. 54. Under penalty of nullity, the statute
of the associations shall contain: I – the denomination, purposes and headquarters of the association; II – the requirements for admission, dismissal
and exclusion of members; III – the rights and duties of the associates; IV – the sources of funds for its maintenance; V – the mode of constitution and operation
the deliberative bodies; (Wording given Law No. 11,127 of 2005) VI – the conditions for amending the
statutory provisions and for dissolution. VII – the form of administrative management
and approval of their accounts. (Included Law No. 11,127 of 2005) Article 55. Associates must have equal rights,
but the statute may establish categories with special advantages. Art. 56. The quality of associate is not transferable,
if the by-laws do not provide otherwise. Single paragraph. If the member is a holder
share or ideal fraction of equity of the association, the transfer of that
will not in itself affect the attribution membership of the acquirer or
heir, save as otherwise provided for in statute. Art. 57. The exclusion of the associate is only admissible
having just cause, thus recognized in procedure ensuring the right of defense
and appeal, as provided for in the bylaws. (Wording given by Law No. 11,127 of 2005) Single paragraph. (repealed) (Wording given
Law No. 11,127 of 2005) Art. 58. No member may be prevented
to exercise any right or function legitimately conferred, except in the case of
cases and in the manner provided for by law or statute. Art. 59. It is the exclusive responsibility of the assembly
General: (Wording given by Law No. 11.127, 2005) I – dismiss the directors; (Essay
given by Law No. 11127 of 2005) II – amend the bylaws. (Wording given
Law No. 11,127 of 2005) Single paragraph. For the deliberations
referred to in items I and II of this article deliberation of the assembly is required especially
convened for that purpose, the quorum of which shall be established in the bylaws, as well as the criteria
of election of the administrators. (Essay given by Law No. 11127 of 2005) Art. 60. The convening of the deliberative organs
shall be in accordance with the bylaws, guaranteed 1/5 (one fifth) of the associates the right
to promote it. (Wording given by Law no. 11,127, 2005) Art. 61. Once the association is dissolved, the remaining
of its net worth after deduction, where appropriate, the ideal quotas or fractions
referred to in the sole paragraph of art. 56, will be intended for non-economic purposes
designated in the by-laws or, failing that, by deliberation of the associates, the institution
municipal, state or federal government for similar purposes or the like. Paragraph 1. By clause of the by-laws or, in its
silence, by deliberation of the members, may these, prior to the disposal of the remainder
referred to in this Article, to receive in return amount is updated, the contributions
they have paid to the association’s assets. Paragraph 2. Not existing in the Municipality, in the State,
Federal District or Territory, in that the association has its seat, institution
under the conditions indicated in this Article, the that remains of your equity will be returned
to the State Treasury of the Federal District or the Union. CHAPTER III
FOUNDATIONS Art. 62. To create a foundation, your
institution shall, by public deed, or will, special endowment of goods
free, specifying the intended purpose, and stating, if you wish, the way to administer it. Single paragraph. The foundation can only
constituted for the purpose of: Law No. 13,151 of 2015) I – social assistance; (Included by
Law No. 13,151 of 2015) II – culture, defense and conservation of
historical and artistic heritage; (Included Law No. 13,151 of 2015) III – education; (Included by Law No.
13,151 of 2015) IV – health; (Included by Law No. 13,151,
from 2015) V – food and nutritional security;
(Included by Law No. 13,151 of 2015) VI – defense, preservation and conservation
of the environment and promoting development sustainable; (Included by Law No. 13,151,
from 2015) VII – scientific research, development
alternative technologies, modernization management, production and dissemination systems
of information and technical knowledge and scientific; (Included by Law No. 13,151,
from 2015) VIII – promotion of ethics, citizenship,
democracy and human rights; (Included Law No. 13,151 of 2015) IX – religious activities; and (Included
Law No. 13,151 of 2015) X – (Vetoed). (Included by Law No. 13,151,
from 2015) Art. 63. When insufficient to constitute
the foundation, the goods intended for it will be, otherwise the disposer is not available,
incorporated into another foundation that proposes the same or similar end. Art. 64. The foundation is constituted by business
between the living, the settler is obliged to transfer ownership of it, or other right
on gifted goods, and if not do, shall be registered on her behalf by
court warrant. Art. 65. Those to whom the founder commits
the application of the patrimony, being aware charge, will soon formulate, in accordance with
its foundations (art. 62), the statute of the foundation then submit it for approval
competent authority by appeal to the judge. Single paragraph. If the bylaws are not
drawn up within the time limit signed by the or, if there is no term, one hundred and eighty
days, the Ministry will be responsible for Public. Art. 66. The Ministry will ensure the foundations
State public where they are located. Paragraph 1 If they work in the Federal District
or in Territory, it will be incumbent upon the Ministry Public of the Federal District and Territories.
(Wording given by Law No. 13,151 of 2015) § 2 If they extend the activity for more
State, the burden shall be on each of the of them, to their public prosecutor. Art. 67. In order to change the bylaws
of the foundation it is necessary that the reform: I – is deliberated by two thirds of the competent
to manage and represent the foundation; II – does not contradict or distort the end of it; III – be approved by the Ministry organ
Public within a maximum of 45 (forty and five) days, after which or in the event of
the prosecutor to deny, may the court shall supply it at the request of the person concerned.
(Wording given by Law No. 13,151 of 2015) Art. 68. When there is no amendment
approved by unanimous vote, the directors foundation by submitting the statute to the
Public Prosecution Service, will require to give science to the defeated minority to
challenge it, if you wish, in ten days. Art. 69. Becoming Illicit, Impossible
or useless the purpose for which the foundation is aimed, expired the period of its existence, the
prosecutor, or any interested party, will promote its extinction by incorporating
its assets, unless otherwise provided in the act of incorporation, or in the bylaws, in another
foundation, designated by the judge, which proposes the same or similar end. TITLE III
Domicile Art. 70. The domicile of the natural person is
the place where she establishes her residence with a definite spirit. Article 71. If, however, the natural person has
several residences where, alternately, living, his domicile shall be deemed to be
from them. Art. 72. It is also the domicile of the natural person,
regarding the relations concerning the profession, the place where it is exercised. Single paragraph. If the person exercises profession
in different places each will constitute domicile for the relations that correspond to it. Article 73. The person’s domicile shall be
who has no habitual residence, the place where it is found. Art. 74. The domicile is changed, transferring
the residence, with the manifest intention to change it. Single paragraph. Proof of intent will result
than to declare the person to the municipalities the places you leave, and where you go, or,
if such statements do not change, with the accompanying circumstances. Art. 75. As for legal entities, the
domicile is: I – of the Union, the Federal District; II – of the States and Territories, the respective
capitals; III – of the Municipality, the place where it operates
the municipal administration; IV – of the other legal entities, the place
where the respective boards of directors operate and administrations, or where they elect
particular in its by-laws or constituent acts. Paragraph 1. The legal entity having several establishments
in different places each of them will be domiciled for acts performed therein. Paragraph 2. If the administration or board of directors
has its registered office abroad, there shall be domicile of the legal entity, as regards
obligations incurred by each of of their agencies, the place of establishment,
in Brazil, to which it corresponds. Art. 76. Have the abode necessary,
the civil servant, the military, the maritime and the prisoner. Single paragraph. The abode of the incapable
is that of your representative or assistant; O of the public servant, the place in which
permanently their functions; the military, where to serve, and, being from the Navy or the Air Force,
the seat of the command to which it is immediately subordinate; that of the maritime where the ship
is enrolled; and the inmate’s place in which to comply with the sentence. Art. 77. The diplomatic agent of Brazil,
quoted abroad alleging extraterritoriality without indicating where you have your domicile in the country,
may be sued in the Federal District or in the last point of the Brazilian territory
where you had it. Art. 78. In written contracts,
the contractors specify domicile where exercise and fulfill their rights and obligations
resulting from them. BOOK II
GOODS Sole Title
Of the different classes of goods CHAPTER I
Of the Goods Considered in Themselves Section I
Real Estate Art. 79. Real estate is the soil and everything
as it is incorporated naturally or artificially. Art. 80. They are considered immovable for the purposes
cool: I – the rights to real property and the
actions that ensure them; II – the right to open succession. Art. 81. Do not lose the character of real estate: I – buildings which, separated from the ground,
but conserving your drive, are removed to another location; II – the provisionally separated materials
of a building, for reemployment. Section II
Of Movable Goods Art. 82. Are susceptible goods movable
self-movement, or removal by alien strength without alteration of substance
or the social-economic destination. Art. 83. They are considered movable for the purposes
cool: I – the energies that have economic value; II – real rights on movable objects
and the corresponding actions; III – the personal rights of patrimonial character
and respective actions. Art. 84. The materials intended for any
construction, while not employed, retain their quality of furniture; regain
this quality those coming from the demolition of some building. Section III
Fungible Goods and Consumables Art. 85. Furniture that can be
replace yourself with others of the same kind, Quality and quantity. Art. 86. Movable goods are consumable
whose use implies immediate destruction of substance itself and are also considered
such are intended for disposal. Section IV
Of Divisible Goods Art. 87. Divisible goods are those which can be
fraction without change in its substance, considerable decrease in value or loss
their intended use. Art. 88. The naturally divisible goods
can become indivisible by determination da lei ou por vontade das partes. Seção V
Dos Bens Singulares e Coletivos Art. 89. São singulares os bens que, embora
reunidos, se consideram de per si , independentemente dos demais. Art. 90. Constitui universalidade de fato
a pluralidade de bens singulares que, pertinentes à mesma pessoa, tenham destinação unitária. Parágrafo único. Os bens que formam essa
universalidade podem ser objeto de relações jurídicas próprias. Art. 91. Constitui universalidade de direito
o complexo de relações jurídicas, de uma pessoa, dotadas de valor econômico. CAPÍTULO II
Dos Bens Reciprocamente Considerados Art. 92. Principal é o bem que existe sobre
si, abstrata ou concretamente; acessório, aquele cuja existência supõe a do principal. Art. 93. São pertenças os bens que, não
constituindo partes integrantes, se destinam, de modo duradouro, ao uso, ao serviço ou
ao aformoseamento de outro. Art. 94. Os negócios jurídicos que dizem
respeito ao bem principal não abrangem as pertenças, salvo se o contrário resultar
da lei, da manifestação de vontade, ou das circunstâncias do caso. Art. 95. Apesar de ainda não separados do
bem principal, os frutos e produtos podem ser objeto de negócio jurídico. Art. 96. As benfeitorias podem ser voluptuárias,
úteis ou necessárias. § 1 o São voluptuárias as de mero deleite
ou recreio, que não aumentam o uso habitual do bem, ainda que o tornem mais agradável
ou sejam de elevado valor. § 2 o São úteis as que aumentam ou facilitam
o uso do bem. § 3 o São necessárias as que têm por fim
conservar o bem ou evitar que se deteriore. Art. 97. Não se consideram benfeitorias os
melhoramentos ou acréscimos sobrevindos ao bem sem a intervenção do proprietário,
possuidor ou detentor. CAPÍTULO III
Dos Bens Públicos Art. 98. São públicos os bens do domínio
nacional pertencentes às pessoas jurídicas de direito público interno; todos os outros
são particulares, seja qual for a pessoa a que pertencerem. Art. 99. São bens públicos: I – os de uso comum do povo, tais como rios,
mares, estradas, ruas e praças; II – os de uso especial, tais como edifícios
ou terrenos destinados a serviço ou estabelecimento da administração federal, estadual, territorial
ou municipal, inclusive os de suas autarquias; III – os dominicais, que constituem o patrimônio
das pessoas jurídicas de direito público, como objeto de direito pessoal, ou real, de
cada uma dessas entidades. Parágrafo único. Não dispondo a lei em
contrário, consideram-se dominicais os bens pertencentes às pessoas jurídicas de direito
público a que se tenha dado estrutura de direito privado. Art. 100. Os bens públicos de uso comum do
povo e os de uso especial são inalienáveis, enquanto conservarem a sua qualificação,
na forma que a lei determinar. Art. 101. Os bens públicos dominicais podem
ser alienados, observadas as exigências da lei. Art. 102. Os bens públicos não estão sujeitos
a usucapião. Art. 103. O uso comum dos bens públicos pode
ser gratuito ou retribuído, conforme for estabelecido legalmente pela entidade a cuja
administração pertencerem. LIVRO III
Dos Fatos Jurídicos TÍTULO I
Do Negócio Jurídico CAPÍTULO I
Disposições Gerais Art. 104. A validade do negócio jurídico
requer: I – agente capaz; II – objeto lícito, possível, determinado
ou determinável; III – forma prescrita ou não defesa em lei. Art. 105. A incapacidade relativa de uma das
partes não pode ser invocada pela outra em benefício próprio, nem aproveita aos co-interessados
capazes, salvo se, neste caso, for indivisível o objeto do direito ou da obrigação comum. Art. 106. A impossibilidade inicial do objeto
não invalida o negócio jurídico se for relativa, ou se cessar antes de realizada
a condição a que ele estiver subordinado. Art. 107. A validade da declaração de vontade
não dependerá de forma especial, senão quando a lei expressamente a exigir. Art. 108. Não dispondo a lei em contrário,
a escritura pública é essencial à validade dos negócios jurídicos que visem à constituição,
transferência, modificação ou renúncia de direitos reais sobre imóveis de valor
superior a trinta vezes o maior salário mínimo vigente no País. Art. 109. No negócio jurídico celebrado
com a cláusula de não valer sem instrumento público, este é da substância do ato. Art. 110. A manifestação de vontade subsiste
ainda que o seu autor haja feito a reserva mental de não querer o que manifestou, salvo
se dela o destinatário tinha conhecimento. Art. 111. O silêncio importa anuência, quando
as circunstâncias ou os usos o autorizarem, e não for necessária a declaração de vontade
expressa. Art. 112. Nas declarações de vontade se
atenderá mais à intenção nelas consubstanciada do que ao sentido literal da linguagem. Art. 113. Os negócios jurídicos devem ser
interpretados conforme a boa-fé e os usos do lugar de sua celebração. § 1º A interpretação do negócio jurídico
deve lhe atribuir o sentido que: (Incluído pela Lei nº 13.874, de 2019) I – for confirmado pelo comportamento das
partes posterior à celebração do negócio; (Incluído pela Lei nº 13.874, de 2019) II – corresponder aos usos, costumes e práticas
do mercado relativas ao tipo de negócio; (Incluído pela Lei nº 13.874, de 2019) III – corresponder à boa-fé; (Incluído
pela Lei nº 13.874, de 2019) IV – for mais benéfico à parte que não
redigiu o dispositivo, se identificável; e (Incluído pela Lei nº 13.874, de 2019) V – corresponder a qual seria a razoável
negociação das partes sobre a questão discutida, inferida das demais disposições do negócio
e da racionalidade econômica das partes, consideradas as informações disponíveis
no momento de sua celebração. (Incluído pela Lei nº 13.874, de 2019) § 2º As partes poderão livremente pactuar
regras de interpretação, de preenchimento de lacunas e de integração dos negócios
jurídicos diversas daquelas previstas em lei. (Incluído pela Lei nº 13.874, de 2019) Art. 114. Os negócios jurídicos benéficos
e a renúncia interpretam-se estritamente. CAPÍTULO II
Da Representação Art. 115. Os poderes de representação conferem-se
por lei ou pelo interessado. Art. 116. A manifestação de vontade pelo
representante, nos limites de seus poderes, produz efeitos em relação ao representado. Art. 117. Salvo se o permitir a lei ou o representado,
é anulável o negócio jurídico que o representante, no seu interesse ou por conta de outrem, celebrar
consigo mesmo. Parágrafo único. Para esse efeito, tem-se
como celebrado pelo representante o negócio realizado por aquele em quem os poderes houverem
sido subestabelecidos. Art. 118. O representante é obrigado a provar
às pessoas, com quem tratar em nome do representado, a sua qualidade e a extensão de seus poderes,
sob pena de, não o fazendo, responder pelos atos que a estes excederem. Art. 119. É anulável o negócio concluído
pelo representante em conflito de interesses com o representado, se tal fato era ou devia
ser do conhecimento de quem com aquele tratou. Parágrafo único. É de cento e oitenta dias,
a contar da conclusão do negócio ou da cessação da incapacidade, o prazo de decadência para
pleitear-se a anulação prevista neste artigo. Art. 120. Os requisitos e os efeitos da representação
legal são os estabelecidos nas normas respectivas; os da representação voluntária são os
da Parte Especial deste Código. CAPÍTULO III
Da Condição, do Termo e do Encargo Art. 121. Considera-se condição a cláusula
que, derivando exclusivamente da vontade das partes, subordina o efeito do negócio jurídico
a evento futuro e incerto. Art. 122. São lícitas, em geral, todas as
condições não contrárias à lei, à ordem pública ou aos bons costumes; entre as condições
defesas se incluem as que privarem de todo efeito o negócio jurídico, ou o sujeitarem
ao puro arbítrio de uma das partes. Art. 123. Invalidam os negócios jurídicos
que lhes são subordinados: I – as condições física ou juridicamente
impossíveis, quando suspensivas; II – as condições ilícitas, ou de fazer
coisa ilícita; III – as condições incompreensíveis ou
contraditórias. Art. 124. Têm-se por inexistentes as condições
impossíveis, quando resolutivas, e as de não fazer coisa impossível. Art. 125. Subordinando-se a eficácia do negócio
jurídico à condição suspensiva, enquanto esta se não verificar, não se terá adquirido
o direito, a que ele visa. Art. 126. Se alguém dispuser de uma coisa
sob condição suspensiva, e, pendente esta, fizer quanto àquela novas disposições,
estas não terão valor, realizada a condição, se com ela forem incompatíveis. Art. 127. Se for resolutiva a condição,
enquanto esta se não realizar, vigorará o negócio jurídico, podendo exercer-se desde
a conclusão deste o direito por ele estabelecido. Art. 128. Sobrevindo a condição resolutiva,
extingue-se, para todos os efeitos, o direito a que ela se opõe; mas, se aposta a um negócio
de execução continuada ou periódica, a sua realização, salvo disposição em contrário,
não tem eficácia quanto aos atos já praticados, desde que compatíveis com a natureza da condição
pendente e conforme aos ditames de boa-fé. Art. 129. Reputa-se verificada, quanto aos
efeitos jurídicos, a condição cujo implemento for maliciosamente obstado pela parte a quem
desfavorecer, considerando-se, ao contrário, não verificada a condição maliciosamente
levada a efeito por aquele a quem aproveita o seu implemento. Art. 130. Ao titular do direito eventual,
nos casos de condição suspensiva ou resolutiva, é permitido praticar os atos destinados a
conservá-lo. Art. 131. O termo inicial suspende o exercício,
mas não a aquisição do direito. Art. 132. Salvo disposição legal ou convencional
em contrário, computam-se os prazos, excluído o dia do começo, e incluído o do vencimento. § 1 o Se o dia do vencimento cair em feriado,
considerar-se-á prorrogado o prazo até o seguinte dia útil. § 2 o Meado considera-se, em qualquer mês,
o seu décimo quinto dia. § 3 o Os prazos de meses e anos expiram no
dia de igual número do de início, ou no imediato, se faltar exata correspondência. § 4 o Os prazos fixados por hora contar-se-ão
de minuto a minuto. Art. 133. Nos testamentos, presume-se o prazo
em favor do herdeiro, e, nos contratos, em proveito do devedor, salvo, quanto a esses,
se do teor do instrumento, ou das circunstâncias, resultar que se estabeleceu a benefício do
credor, ou de ambos os contratantes. Art. 134. Os negócios jurídicos entre vivos,
sem prazo, são exeqüíveis desde logo, salvo se a execução tiver de ser feita em lugar
diverso ou depender de tempo. Art. 135. Ao termo inicial e final aplicam-se,
no que couber, as disposições relativas à condição suspensiva e resolutiva. Art. 136. O encargo não suspende a aquisição
nem o exercício do direito, salvo quando expressamente imposto no negócio jurídico,
pelo disponente, como condição suspensiva. Art. 137. Considera-se não escrito o encargo
ilícito ou impossível, salvo se constituir o motivo determinante da liberalidade, caso
em que se invalida o negócio jurídico. CAPÍTULO IV
Dos Defeitos do Negócio Jurídico Seção I
Do Erro ou Ignorância Art. 138. São anuláveis os negócios jurídicos,
quando as declarações de vontade emanarem de erro substancial que poderia ser percebido
por pessoa de diligência normal, em face das circunstâncias do negócio. Art. 139. O erro é substancial quando: I – interessa à natureza do negócio, ao
objeto principal da declaração, ou a alguma das qualidades a ele essenciais; II – concerne à identidade ou à qualidade
essencial da pessoa a quem se refira a declaração de vontade, desde que tenha influído nesta
de modo relevante; III – sendo de direito e não implicando recusa
à aplicação da lei, for o motivo único ou principal do negócio jurídico. Art. 140. O falso motivo só vicia a declaração
de vontade quando expresso como razão determinante. Art. 141. A transmissão errônea da vontade
por meios interpostos é anulável nos mesmos casos em que o é a declaração direta. Art. 142. O erro de indicação da pessoa
ou da coisa, a que se referir a declaração de vontade, não viciará o negócio quando,
por seu contexto e pelas circunstâncias, se puder identificar a coisa ou pessoa cogitada. Art. 143. O erro de cálculo apenas autoriza
a retificação da declaração de vontade. Art. 144. O erro não prejudica a validade
do negócio jurídico quando a pessoa, a quem a manifestação de vontade se dirige, se
oferecer para executá-la na conformidade da vontade real do manifestante. Seção II
Do Dolo Art. 145. São os negócios jurídicos anuláveis
por dolo, quando este for a sua causa. Art. 146. O dolo acidental só obriga à satisfação
das perdas e danos, e é acidental quando, a seu despeito, o negócio seria realizado,
embora por outro modo. Art. 147. Nos negócios jurídicos bilaterais,
o silêncio intencional de uma das partes a respeito de fato ou qualidade que a outra
parte haja ignorado, constitui omissão dolosa, provando-se que sem ela o negócio não se
teria celebrado. Art. 148. Pode também ser anulado o negócio
jurídico por dolo de terceiro, se a parte a quem aproveite dele tivesse ou devesse ter
conhecimento; em caso contrário, ainda que subsista o negócio jurídico, o terceiro
responderá por todas as perdas e danos da parte a quem ludibriou. Art. 149. O dolo do representante legal de
uma das partes só obriga o representado a responder civilmente até a importância do
proveito que teve; se, porém, o dolo for do representante convencional, o representado
responderá solidariamente com ele por perdas e danos. Art. 150. Se ambas as partes procederem com
dolo, nenhuma pode alegá-lo para anular o negócio, ou reclamar indenização. Seção III
Da Coação Art. 151. A coação, para viciar a declaração
da vontade, há de ser tal que incuta ao paciente fundado temor de dano iminente e considerável
à sua pessoa, à sua família, ou aos seus bens. Parágrafo único. Se disser respeito a pessoa
não pertencente à família do paciente, o juiz, com base nas circunstâncias, decidirá
se houve coação. Art. 152. No apreciar a coação, ter-se-ão
em conta o sexo, a idade, a condição, a saúde, o temperamento do paciente e todas
as demais circunstâncias que possam influir na gravidade dela. Art. 153. Não se considera coação a ameaça
do exercício normal de um direito, nem o simples temor reverencial. Art. 154. Vicia o negócio jurídico a coação
exercida por terceiro, se dela tivesse ou devesse ter conhecimento a parte a que aproveite,
e esta responderá solidariamente com aquele por perdas e danos. Art. 155. Subsistirá o negócio jurídico,
se a coação decorrer de terceiro, sem que a parte a que aproveite dela tivesse ou devesse
ter conhecimento; mas o autor da coação responderá por todas as perdas e danos que
houver causado ao coacto. Seção IV
Do Estado de Perigo Art. 156. Configura-se o estado de perigo
quando alguém, premido da necessidade de salvar-se, ou a pessoa de sua família, de
grave dano conhecido pela outra parte, assume obrigação excessivamente onerosa. Parágrafo único. Tratando-se de pessoa não
pertencente à família do declarante, o juiz decidirá segundo as circunstâncias. Seção V
Da Lesão Art. 157. Ocorre a lesão quando uma pessoa,
sob premente necessidade, ou por inexperiência, se obriga a prestação manifestamente desproporcional
ao valor da prestação oposta. § 1 o Aprecia-se a desproporção das prestações
segundo os valores vigentes ao tempo em que foi celebrado o negócio jurídico. § 2 o Não se decretará a anulação do
negócio, se for oferecido suplemento suficiente, ou se a parte favorecida concordar com a redução
do proveito. Seção VI
Da Fraude Contra Credores Art. 158. Os negócios de transmissão gratuita
de bens ou remissão de dívida, se os praticar o devedor já insolvente, ou por eles reduzido
à insolvência, ainda quando o ignore, poderão ser anulados pelos credores quirografários,
como lesivos dos seus direitos. § 1 o Igual direito assiste aos credores
cuja garantia se tornar insuficiente. § 2 o Só os credores que já o eram ao tempo
daqueles atos podem pleitear a anulação deles. Art. 159. Serão igualmente anuláveis os
contratos onerosos do devedor insolvente, quando a insolvência for notória, ou houver
motivo para ser conhecida do outro contratante. Art. 160. Se o adquirente dos bens do devedor
insolvente ainda não tiver pago o preço e este for, aproximadamente, o corrente, desobrigar-se-á
depositando-o em juízo, com a citação de todos os interessados. Parágrafo único. Se inferior, o adquirente,
para conservar os bens, poderá depositar o preço que lhes corresponda ao valor real. Art. 161. A ação, nos casos dos arts. 158
e 159, poderá ser intentada contra o devedor insolvente, a pessoa que com ele celebrou
a estipulação considerada fraudulenta, ou terceiros adquirentes que hajam procedido
de má-fé. Art. 162. O credor quirografário, que receber
do devedor insolvente o pagamento da dívida ainda não vencida, ficará obrigado a repor,
em proveito do acervo sobre que se tenha de efetuar o concurso de credores, aquilo que
recebeu. Art. 163. Presumem-se fraudatórias dos direitos
dos outros credores as garantias de dívidas que o devedor insolvente tiver dado a algum
credor. Art. 164. Presumem-se, porém, de boa-fé
e valem os negócios ordinários indispensáveis à manutenção de estabelecimento mercantil,
rural, ou industrial, ou à subsistência do devedor e de sua família. Art. 165. Anulados os negócios fraudulentos,
a vantagem resultante reverterá em proveito do acervo sobre que se tenha de efetuar o
concurso de credores. Parágrafo único. Se esses negócios tinham
por único objeto atribuir direitos preferenciais, mediante hipoteca, penhor ou anticrese, sua
invalidade importará somente na anulação da preferência ajustada. CAPÍTULO V
Da Invalidade do Negócio Jurídico Art. 166. É nulo o negócio jurídico quando: I – celebrado por pessoa absolutamente incapaz; II – for ilícito, impossível ou indeterminável
o seu objeto; III – o motivo determinante, comum a ambas
as partes, for ilícito; IV – não revestir a forma prescrita em lei; V – for preterida alguma solenidade que a
lei considere essencial para a sua validade; VI – tiver por objetivo fraudar lei imperativa; VII – a lei taxativamente o declarar nulo,
ou proibir-lhe a prática, sem cominar sanção. Art. 167. É nulo o negócio jurídico simulado,
mas subsistirá o que se dissimulou, se válido for na substância e na forma. § 1 o Haverá simulação nos negócios jurídicos
quando: I – aparentarem conferir ou transmitir direitos
a pessoas diversas daquelas às quais realmente se conferem, ou transmitem; II – contiverem declaração, confissão,
condição ou cláusula não verdadeira; III – os instrumentos particulares forem antedatados,
ou pós-datados. § 2 o Ressalvam-se os direitos de terceiros
de boa-fé em face dos contraentes do negócio jurídico simulado. Art. 168. As nulidades dos artigos antecedentes
podem ser alegadas por qualquer interessado, ou pelo Ministério Público, quando lhe couber
intervir. Parágrafo único. As nulidades devem ser
pronunciadas pelo juiz, quando conhecer do negócio jurídico ou dos seus efeitos e as
encontrar provadas, não lhe sendo permitido supri-las, ainda que a requerimento das partes. Art. 169. O negócio jurídico nulo não é
suscetível de confirmação, nem convalesce pelo decurso do tempo. Art. 170. Se, porém, o negócio jurídico
nulo contiver os requisitos de outro, subsistirá este quando o fim a que visavam as partes
permitir supor que o teriam querido, se houvessem previsto a nulidade. Art. 171. Além dos casos expressamente declarados
na lei, é anulável o negócio jurídico: I – por incapacidade relativa do agente; II – por vício resultante de erro, dolo,
coação, estado de perigo, lesão ou fraude contra credores. Art. 172. O negócio anulável pode ser confirmado
pelas partes, salvo direito de terceiro. Art. 173. O ato de confirmação deve conter
a substância do negócio celebrado e a vontade expressa de mantê-lo. Art. 174. É escusada a confirmação expressa,
quando o negócio já foi cumprido em parte pelo devedor, ciente do vício que o inquinava. Art. 175. A confirmação expressa, ou a execução
voluntária de negócio anulável, nos termos dos arts. 172 a 174, importa a extinção
de todas as ações, ou exceções, de que contra ele dispusesse o devedor. Art. 176. Quando a anulabilidade do ato resultar
da falta de autorização de terceiro, será validado se este a der posteriormente. Art. 177. A anulabilidade não tem efeito
antes de julgada por sentença, nem se pronuncia de ofício; só os interessados a podem alegar,
e aproveita exclusivamente aos que a alegarem, salvo o caso de solidariedade ou indivisibilidade. Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência
para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I – no caso de coação, do dia em que ela
cessar; II – no de erro, dolo, fraude contra credores,
estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III – no de atos de incapazes, do dia em que
cessar a incapacidade. Art. 179. Quando a lei dispuser que determinado
ato é anulável, sem estabelecer prazo para pleitear-se a anulação, será este de dois
anos, a contar da data da conclusão do ato. Art. 180. O menor, entre dezesseis e dezoito
anos, não pode, para eximir-se de uma obrigação, invocar a sua idade se dolosamente a ocultou
quando inquirido pela outra parte, ou se, no ato de obrigar-se, declarou-se maior. Art. 181. Ninguém pode reclamar o que, por
uma obrigação anulada, pagou a um incapaz, se não provar que reverteu em proveito dele
a importância paga. Art. 182. Anulado o negócio jurídico, restituir-se-ão
as partes ao estado em que antes dele se achavam, e, não sendo possível restituí-las, serão
indenizadas com o equivalente. Art. 183. A invalidade do instrumento não
induz a do negócio jurídico sempre que este puder provar-se por outro meio. Art. 184. Respeitada a intenção das partes,
a invalidade parcial de um negócio jurídico não o prejudicará na parte válida, se esta
for separável; a invalidade da obrigação principal implica a das obrigações acessórias,
mas a destas não induz a da obrigação principal. TÍTULO II
Dos Atos Jurídicos Lícitos Art. 185. Aos atos jurídicos lícitos, que
não sejam negócios jurídicos, aplicam-se, no que couber, as disposições do Título
anterior. TÍTULO III
Dos Atos Ilícitos Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão
voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda
que exclusivamente moral, comete ato ilícito. Art. 187. Também comete ato ilícito o titular
de um direito que, ao exercê-lo, excede manifestamente os limites impostos pelo seu fim econômico
ou social, pela boa-fé ou pelos bons costumes. Art. 188. Não constituem atos ilícitos: I – os praticados em legítima defesa ou no
exercício regular de um direito reconhecido; II – a deterioração ou destruição da coisa
alheia, ou a lesão a pessoa, a fim de remover perigo iminente. Parágrafo único. No caso do inciso II, o
ato será legítimo somente quando as circunstâncias o tornarem absolutamente necessário, não
excedendo os limites do indispensável para a remoção do perigo. TÍTULO IV
Da Prescrição e da Decadência CAPÍTULO I
Da Prescrição Seção I
Disposições Gerais Art. 189. Violado o direito, nasce para o
titular a pretensão, a qual se extingue, pela prescrição, nos prazos a que aludem
os arts. 205 e 206. Art. 190. A exceção prescreve no mesmo prazo
em que a pretensão. Art. 191. A renúncia da prescrição pode
ser expressa ou tácita, e só valerá, sendo feita, sem prejuízo de terceiro, depois que
a prescrição se consumar; tácita é a renúncia quando se presume de fatos do interessado,
incompatíveis com a prescrição. Art. 192. Os prazos de prescrição não podem
ser alterados por acordo das partes. Art. 193. A prescrição pode ser alegada
em qualquer grau de jurisdição, pela parte a quem aproveita. Art. 194. (Revogado pela Lei nº 11.280, de
2006) Art. 195. Os relativamente incapazes e as
pessoas jurídicas têm ação contra os seus assistentes ou representantes legais, que
derem causa à prescrição, ou não a alegarem oportunamente. Art. 196. A prescrição iniciada contra uma
pessoa continua a correr contra o seu sucessor. Seção II
Das Causas que Impedem ou Suspendem a Prescrição Art. 197. Não corre a prescrição: I – entre os cônjuges, na constância da
sociedade conjugal; II – entre ascendentes e descendentes, durante
o poder familiar; III – entre tutelados ou curatelados e seus
tutores ou curadores, durante a tutela ou curatela. Art. 198. Também não corre a prescrição: I – contra os incapazes de que trata o art.
3 o ; II – contra os ausentes do País em serviço
público da União, dos Estados ou dos Municípios; III – contra os que se acharem servindo nas
Forças Armadas, em tempo de guerra. Art. 199. Não corre igualmente a prescrição: I – pendendo condição suspensiva; II – não estando vencido o prazo; III – pendendo ação de evicção. Art. 200. Quando a ação se originar de fato
que deva ser apurado no juízo criminal, não correrá a prescrição antes da respectiva
sentença definitiva. Art. 201. Suspensa a prescrição em favor
de um dos credores solidários, só aproveitam os outros se a obrigação for indivisível. Seção III
Das Causas que Interrompem a Prescrição Art. 202. A interrupção da prescrição,
que somente poderá ocorrer uma vez, dar-se-á: I – por despacho do juiz, mesmo incompetente,
que ordenar a citação, se o interessado a promover no prazo e na forma da lei processual; II – por protesto, nas condições do inciso
antecedente; III – por protesto cambial; IV – pela apresentação do título de crédito
em juízo de inventário ou em concurso de credores; V – por qualquer ato judicial que constitua
em mora o devedor; VI – por qualquer ato inequívoco, ainda que
extrajudicial, que importe reconhecimento do direito pelo devedor. Parágrafo único. A prescrição interrompida
recomeça a correr da data do ato que a interrompeu, ou do último ato do processo para a interromper. Art. 203. A prescrição pode ser interrompida
por qualquer interessado. Art. 204. A interrupção da prescrição
por um credor não aproveita aos outros; semelhantemente, a interrupção operada contra o co-devedor,
ou seu herdeiro, não prejudica aos demais coobrigados. § 1 o A interrupção por um dos credores
solidários aproveita aos outros; as a interrupção efetuada contra o devedor
solidário envolve os demais e seus herdeiros. § 2 o A interrupção operada contra um dos
herdeiros do devedor solidário não prejudica os outros herdeiros ou devedores, senão quando
se trate de obrigações e direitos indivisíveis. § 3 o A interrupção produzida contra o
principal devedor prejudica o fiador. Seção IV
Dos Prazos da Prescrição Art. 205. A prescrição ocorre em dez anos,
quando a lei não lhe haja fixado prazo menor. Art. 206. Prescreve: § 1 o Em um ano: I – a pretensão dos hospedeiros ou fornecedores
de víveres destinados a consumo no próprio estabelecimento, para o pagamento da hospedagem
ou dos alimentos; II – a pretensão do segurado contra o segurador,
ou a deste contra aquele, contado o prazo: a) para o segurado, no caso de seguro de responsabilidade
civil, da data em que é citado para responder à ação de indenização proposta pelo terceiro
prejudicado, ou da data que a este indeniza, com a anuência do segurador; b) quanto aos demais seguros, da ciência
do fato gerador da pretensão; III – a pretensão dos tabeliães, auxiliares
da justiça, serventuários judiciais, árbitros e peritos, pela percepção de emolumentos,
custas e honorários; IV – a pretensão contra os peritos, pela
avaliação dos bens que entraram para a formação do capital de sociedade anônima, contado
da publicação da ata da assembléia que aprovar o laudo; V – a pretensão dos credores não pagos contra
os sócios ou acionistas e os liquidantes, contado o prazo da publicação da ata de
encerramento da liquidação da sociedade. § 2 o Em dois anos, a pretensão para haver
prestações alimentares, a partir da data em que se vencerem. § 3 o Em três anos: I – a pretensão relativa a aluguéis de prédios
urbanos ou rústicos; II – a pretensão para receber prestações
vencidas de rendas temporárias ou vitalícias; III – a pretensão para haver juros, dividendos
ou quaisquer prestações acessórias, pagáveis, em períodos não maiores de um ano, com capitalização
ou sem ela; IV – a pretensão de ressarcimento de enriquecimento
sem causa; V – a pretensão de reparação civil; VI – a pretensão de restituição dos lucros
ou dividendos recebidos de má-fé, correndo o prazo da data em que foi deliberada a distribuição; VII – a pretensão contra as pessoas em seguida
indicadas por violação da lei ou do estatuto, contado o prazo: a) para os fundadores, da publicação dos
atos constitutivos da sociedade anônima; b) para os administradores, ou fiscais, da
apresentação, aos sócios, do balanço referente ao exercício em que a violação tenha sido
praticada, ou da reunião ou assembléia geral que dela deva tomar conhecimento; c) para os liquidantes, da primeira assembléia
semestral posterior à violação; VIII – a pretensão para haver o pagamento
de título de crédito, a contar do vencimento, ressalvadas as disposições de lei especial; IX – a pretensão do beneficiário contra
o segurador, e a do terceiro prejudicado, no caso de seguro de responsabilidade civil
obrigatório. § 4 o Em quatro anos, a pretensão relativa
à tutela, a contar da data da aprovação das contas. § 5 o Em cinco anos: I – a pretensão de cobrança de dívidas
líquidas constantes de instrumento público ou particular; II – a pretensão dos profissionais liberais
em geral, procuradores judiciais, curadores e professores pelos seus honorários, contado
o prazo da conclusão dos serviços, da cessação dos respectivos contratos ou mandato; III – a pretensão do vencedor para haver
do vencido o que despendeu em juízo. CAPÍTULO II
Da Decadência Art. 207. Salvo disposição legal em contrário,
não se aplicam à decadência as normas que impedem, suspendem ou interrompem a prescrição. Art. 208. Aplica-se à decadência o disposto
nos arts. 195 e 198, inciso I. Art. 209. É nula a renúncia à decadência
fixada em lei. Art. 210. Deve o juiz, de ofício, conhecer
da decadência, quando estabelecida por lei. Art. 211. Se a decadência for convencional,
a parte a quem aproveita pode alegá-la em qualquer grau de jurisdição, mas o juiz
não pode suprir a alegação. TÍTULO V
Da Prova Art. 212. Salvo o negócio a que se impõe
forma especial, o fato jurídico pode ser provado mediante: I – confissão; II – documento; III – testemunha; IV – presunção; V – perícia. Art. 213. Não tem eficácia a confissão
se provém de quem não é capaz de dispor do direito a que se referem os fatos confessados. Parágrafo único. Se feita a confissão por
um representante, somente é eficaz nos limites em que este pode vincular o representado. Art. 214. A confissão é irrevogável, mas
pode ser anulada se decorreu de erro de fato ou de coação. Art. 215. A escritura pública, lavrada em
notas de tabelião, é documento dotado de fé pública, fazendo prova plena. § 1 o Salvo quando exigidos por lei outros
requisitos, a escritura pública deve conter: I – data e local de sua realização; II – reconhecimento da identidade e capacidade
das partes e de quantos hajam comparecido ao ato, por si, como representantes, intervenientes
ou testemunhas; III – nome, nacionalidade, estado civil, profissão,
domicílio e residência das partes e demais comparecentes, com a indicação, quando necessário,
do regime de bens do casamento, nome do outro cônjuge e filiação; IV – manifestação clara da vontade das partes
e dos intervenientes; V – referência ao cumprimento das exigências
legais e fiscais inerentes à legitimidade do ato; VI – declaração de ter sido lida na presença
das partes e demais comparecentes, ou de que todos a leram; VII – assinatura das partes e dos demais comparecentes,
bem como a do tabelião ou seu substituto legal, encerrando o ato. § 2 o Se algum comparecente não puder ou
não souber escrever, outra pessoa capaz assinará por ele, a seu rogo. § 3 o A escritura será redigida na língua
nacional. § 4 o Se qualquer dos comparecentes não
souber a língua nacional e o tabelião não entender o idioma em que se expressa, deverá
comparecer tradutor público para servir de intérprete, ou, não o havendo na localidade,
outra pessoa capaz que, a juízo do tabelião, tenha idoneidade e conhecimento bastantes. § 5 o Se algum dos comparecentes não for
conhecido do tabelião, nem puder identificar-se por documento, deverão participar do ato
pelo menos duas testemunhas que o conheçam e atestem sua identidade. Art. 216. Farão a mesma prova que os originais
as certidões textuais de qualquer peça judicial, do protocolo das audiências, ou de outro
qualquer livro a cargo do escrivão, sendo extraídas por ele, ou sob a sua vigilância,
e por ele subscritas, assim como os traslados de autos, quando por outro escrivão consertados. Art. 217. Terão a mesma força probante os
traslados e as certidões, extraídos por tabelião ou oficial de registro, de instrumentos
ou documentos lançados em suas notas. Art. 218. Os traslados e as certidões considerar-se-ão
instrumentos públicos, se os originais se houverem produzido em juízo como prova de
algum ato. Art. 219. As declarações constantes de documentos
assinados presumem-se verdadeiras em relação aos signatários. Parágrafo único. Não tendo relação direta,
porém, com as disposições principais ou com a legitimidade das partes, as declarações
enunciativas não eximem os interessados em sua veracidade do ônus de prová-las. Art. 220. A anuência ou a autorização de
outrem, necessária à validade de um ato, provar-se-á do mesmo modo que este, e constará,
sempre que se possa, do próprio instrumento. Art. 221. O instrumento particular, feito
e assinado, ou somente assinado por quem esteja na livre disposição e administração de
seus bens, prova as obrigações convencionais de qualquer valor; mas os seus efeitos, bem
como os da cessão, não se operam, a respeito de terceiros, antes de registrado no registro
público. Parágrafo único. A prova do instrumento
particular pode suprir-se pelas outras de caráter legal. Art. 222. O telegrama, quando lhe for contestada
a autenticidade, faz prova mediante conferência com o original assinado. Art. 223. A cópia fotográfica de documento,
conferida por tabelião de notas, valerá como prova de declaração da vontade, mas,
impugnada sua autenticidade, deverá ser exibido o original. Parágrafo único. A prova não supre a ausência
do título de crédito, ou do original, nos casos em que a lei ou as circunstâncias condicionarem
o exercício do direito à sua exibição. Art. 224. Os documentos redigidos em língua
estrangeira serão traduzidos para o português para ter efeitos legais no País. Art. 225. As reproduções fotográficas,
cinematográficas, os registros fonográficos e, em geral, quaisquer outras reproduções
mecânicas ou eletrônicas de fatos ou de coisas fazem prova plena destes, se a parte,
contra quem forem exibidos, não lhes impugnar a exatidão. Art. 226. Os livros e fichas dos empresários
e sociedades provam contra as pessoas a que pertencem, e, em seu favor, quando, escriturados
sem vício extrínseco ou intrínseco, forem confirmados por outros subsídios. Parágrafo único. A prova resultante dos
livros e fichas não é bastante nos casos em que a lei exige escritura pública, ou
escrito particular revestido de requisitos especiais, e pode ser ilidida pela comprovação
da falsidade ou inexatidão dos lançamentos. Art. 227. (Revogado pela Lei n º 13.105,
de 2015) (Vigência) Parágrafo único. Qualquer que seja o valor
do negócio jurídico, a prova testemunhal é admissível como subsidiária ou complementar
da prova por escrito. Art. 228. Não podem ser admitidos como testemunhas: I – os menores de dezesseis anos; II – ( Revogado); (Redação dada pela Lei
nº 13.146, de 2015) (Vigência) III – (Revogado); (Redação dada pela Lei
nº 13.146, de 2015) (Vigência) IV – o interessado no litígio, o amigo íntimo
ou o inimigo capital das partes; V – os cônjuges, os ascendentes, os descendentes
e os colaterais, até o terceiro grau de alguma das partes, por consangüinidade, ou afinidade. § 1 o Para a prova de fatos que só elas
conheçam, pode o juiz admitir o depoimento das pessoas a que se refere este artigo. (Redação
dada pela Lei nº 13.146, de 2015) (Vigência) § 2 o A pessoa com deficiência poderá testemunhar
em igualdade de condições com as demais pessoas, sendo-lhe assegurados todos os recursos
de tecnologia assistiva. (Incluído pela Lei nº 13.146, de 2015) (Vigência) Art. 229. (Revogado pela Lei n º 13.105,
de 2015) (Vigência) Art. 230. (Revogado pela Lei n º 13.105,
de 2015) (Vigência) Art. 231. Aquele que se nega a submeter-se
a exame médico necessário não poderá aproveitar-se de sua recusa. Art. 232. A recusa à perícia médica ordenada
pelo juiz poderá suprir a prova que se pretendia obter com o exame. PARTEESPECIAL LIVRO I
DO DIREITO DAS OBRIGAÇÕES TÍTULO I
DAS MODALIDADES DAS OBRIGAÇÕES CAPÍTULO I
DAS OBRIGAÇÕES DE DAR Seção I
Das Obrigações de Dar Coisa Certa Art. 233. A obrigação de dar coisa certa
abrange os acessórios dela embora não mencionados, salvo se o contrário resultar do título
ou das circunstâncias do caso. Art. 234. Se, no caso do artigo antecedente,
a coisa se perder, sem culpa do devedor, antes da tradição, ou pendente a condição suspensiva,
fica resolvida a obrigação para ambas as partes; se a perda resultar de culpa do devedor,
responderá este pelo equivalente e mais perdas e danos. Art. 235. Deteriorada a coisa, não sendo
o devedor culpado, poderá o credor resolver a obrigação, ou aceitar a coisa, abatido
de seu preço o valor que perdeu. Art. 236. Sendo culpado o devedor, poderá
o credor exigir o equivalente, ou aceitar a coisa no estado em que se acha, com direito
a reclamar, em um ou em outro caso, indenização das perdas e danos. Art. 237. Até a tradição pertence ao devedor
a coisa, com os seus melhoramentos e acrescidos, pelos quais poderá exigir aumento no preço;
se o credor não anuir, poderá o devedor resolver a obrigação. Parágrafo único. Os frutos percebidos são
do devedor, cabendo ao credor os pendentes. Art. 238. Se a obrigação for de restituir
coisa certa, e esta, sem culpa do devedor, se perder antes da tradição, sofrerá o
credor a perda, e a obrigação se resolverá, ressalvados os seus direitos até o dia da
perda. Art. 239. Se a coisa se perder por culpa do
devedor, responderá este pelo equivalente, mais perdas e danos. Art. 240. Se a coisa restituível se deteriorar
sem culpa do devedor, recebê-la-á o credor, tal qual se ache, sem direito a indenização;
se por culpa do devedor, observar-se-á o disposto no art. 239. Art. 241. Se, no caso do art. 238, sobrevier
melhoramento ou acréscimo à coisa, sem despesa ou trabalho do devedor, lucrará o credor,
desobrigado de indenização. Art. 242. Se para o melhoramento, ou aumento,
empregou o devedor trabalho ou dispêndio, o caso se regulará pelas normas deste Código
atinentes às benfeitorias realizadas pelo possuidor de boa-fé ou de má-fé. Parágrafo único. Quanto aos frutos percebidos,
observar-se-á, do mesmo modo, o disposto neste Código, acerca do possuidor de boa-fé
ou de má-fé. Seção II
Das Obrigações de Dar Coisa Incerta Art. 243. A coisa incerta será indicada,
ao menos, pelo gênero e pela quantidade. Art. 244. Nas coisas determinadas pelo gênero
e pela quantidade, a escolha pertence ao devedor, se o contrário não resultar do título da
obrigação; mas não poderá dar a coisa pior, nem será obrigado a prestar a melhor. Art. 245. Cientificado da escolha o credor,
vigorará o disposto na Seção antecedente. Art. 246. Antes da escolha, não poderá o
devedor alegar perda ou deterioração da coisa, ainda que por força maior ou caso
fortuito. CAPÍTULO II
Das Obrigações de Fazer Art. 247. Incorre na obrigação de indenizar
perdas e danos o devedor que recusar a prestação a ele só imposta, ou só por ele exeqüível. Art. 248. Se a prestação do fato tornar-se
impossível sem culpa do devedor, resolver-se-á a obrigação; se por culpa dele, responderá
por perdas e danos. Art. 249. Se o fato puder ser executado por
terceiro, será livre ao credor mandá-lo executar à custa do devedor, havendo recusa
ou mora deste, sem prejuízo da indenização cabível. Parágrafo único. Em caso de urgência, pode
o credor, independentemente de autorização judicial, executar ou mandar executar o fato,
sendo depois ressarcido. CAPÍTULO III
Das Obrigações de Não Fazer Art. 250. Extingue-se a obrigação de não
fazer, desde que, sem culpa do devedor, se lhe torne impossível abster-se do ato, que
se obrigou a não praticar. Art. 251. Praticado pelo devedor o ato, a
cuja abstenção se obrigara, o credor pode exigir dele que o desfaça, sob pena de se
desfazer à sua custa, ressarcindo o culpado perdas e danos. Parágrafo único. Em caso de urgência, poderá
o credor desfazer ou mandar desfazer, independentemente de autorização judicial, sem prejuízo do
ressarcimento devido. CAPÍTULO IV
Das Obrigações Alternativas Art. 252. Nas obrigações alternativas, a
escolha cabe ao devedor, se outra coisa não se estipulou. § 1 o Não pode o devedor obrigar o credor
a receber parte em uma prestação e parte em outra. § 2 o Quando a obrigação for de prestações
periódicas, a faculdade de opção poderá ser exercida em cada período. § 3 o No caso de pluralidade de optantes,
não havendo acordo unânime entre eles, decidirá o juiz, findo o prazo por este assinado para
a deliberação. § 4 o Se o título deferir a opção a terceiro,
e este não quiser, ou não puder exercê-la, caberá ao juiz a escolha se não houver acordo
entre as partes. Art. 253. Se uma das duas prestações não
puder ser objeto de obrigação ou se tornada inexeqüível, subsistirá o débito quanto
à outra. Art. 254. Se, por culpa do devedor, não se
puder cumprir nenhuma das prestações, não competindo ao credor a escolha, ficará aquele
obrigado a pagar o valor da que por último se impossibilitou, mais as perdas e danos
que o caso determinar. Art. 255. Quando a escolha couber ao credor
e uma das prestações tornar-se impossível por culpa do devedor, o credor terá direito
de exigir a prestação subsistente ou o valor da outra, com perdas e danos; se, por culpa
do devedor, ambas as prestações se tornarem inexeqüíveis, poderá o credor reclamar
o valor de qualquer das duas, além da indenização por perdas e danos. Art. 256. Se todas as prestações se tornarem
impossíveis sem culpa do devedor, extinguir-se-á a obrigação. CAPÍTULO V
Das Obrigações Divisíveis e Indivisíveis Art. 257. Havendo mais de um devedor ou mais
de um credor em obrigação divisível, esta presume-se dividida em tantas obrigações,
iguais e distintas, quantos os credores ou devedores. Art. 258. A obrigação é indivisível quando
a prestação tem por objeto uma coisa ou um fato não suscetíveis de divisão, por
sua natureza, por motivo de ordem econômica, ou dada a razão determinante do negócio
jurídico. Art. 259. Se, havendo dois ou mais devedores,
a prestação não for divisível, cada um será obrigado pela dívida toda. Parágrafo único. O devedor, que paga a dívida,
sub-roga-se no direito do credor em relação aos outros coobrigados. Art. 260. Se a pluralidade for dos credores,
poderá cada um destes exigir a dívida inteira; mas o devedor ou devedores se desobrigarão,
pagando: I – a todos conjuntamente; II – a um, dando este caução de ratificação
dos outros credores. Art. 261. Se um só dos credores receber a
prestação por inteiro, a cada um dos outros assistirá o direito de exigir dele em dinheiro
a parte que lhe caiba no total. Art. 262. Se um dos credores remitir a dívida,
a obrigação não ficará extinta para com os outros; mas estes só a poderão exigir,
descontada a quota do credor remitente. Parágrafo único. O mesmo critério se observará
no caso de transação, novação, compensação ou confusão. Art. 263. Perde a qualidade de indivisível
a obrigação que se resolver em perdas e danos. § 1 o Se, para efeito do disposto neste artigo,
houver culpa de todos os devedores, responderão todos por partes iguais. § 2 o Se for de um só a culpa, ficarão
exonerados os outros, respondendo só esse pelas perdas e danos. CAPÍTULO VI
Das Obrigações Solidárias Seção I
Disposições Gerais Art. 264. Há solidariedade, quando na mesma
obrigação concorre mais de um credor, ou mais de um devedor, cada um com direito, ou
obrigado, à dívida toda. Art. 265. A solidariedade não se presume;
resulta da lei ou da vontade das partes. Art. 266. A obrigação solidária pode ser
pura e simples para um dos co-credores ou co-devedores, e condicional, ou a prazo, ou
pagável em lugar diferente, para o outro. Seção II
Da Solidariedade Ativa Art. 267. Cada um dos credores solidários
tem direito a exigir do devedor o cumprimento da prestação por inteiro. Art. 268. Enquanto alguns dos credores solidários
não demandarem o devedor comum, a qualquer daqueles poderá este pagar. Art. 269. O pagamento feito a um dos credores
solidários extingue a dívida até o montante do que foi pago. Art. 270. Se um dos credores solidários falecer
deixando herdeiros, cada um destes só terá direito a exigir e receber a quota do crédito
que corresponder ao seu quinhão hereditário, salvo se a obrigação for indivisível. Art. 271. Convertendo-se a prestação em
perdas e danos, subsiste, para todos os efeitos, a solidariedade. Art. 272. O credor que tiver remitido a dívida
ou recebido o pagamento responderá aos outros pela parte que lhes caiba. Art. 273. A um dos credores solidários não
pode o devedor opor as exceções pessoais oponíveis aos outros. Art. 274. O julgamento contrário a um dos
credores solidários não atinge os demais, mas o julgamento favorável aproveita-lhes,
sem prejuízo de exceção pessoal que o devedor tenha direito de invocar em relação a qualquer
deles. (Redação dada pela Lei nº 13.105, de 2015) (Vigência) Seção III
Da Solidariedade Passiva Art. 275. O credor tem direito a exigir e
receber de um ou de alguns dos devedores, parcial ou totalmente, a dívida comum; se
o pagamento tiver sido parcial, todos os demais devedores continuam obrigados solidariamente
pelo resto. Parágrafo único. Não importará renúncia
da solidariedade a propositura de ação pelo credor contra um ou alguns dos devedores. Art. 276. Se um dos devedores solidários
falecer deixando herdeiros, nenhum destes será obrigado a pagar senão a quota que
corresponder ao seu quinhão hereditário, salvo se a obrigação for indivisível; mas
todos reunidos serão considerados como um devedor solidário em relação aos demais
devedores. Art. 277. O pagamento parcial feito por um
dos devedores e a remissão por ele obtida não aproveitam aos outros devedores, senão
até à concorrência da quantia paga ou relevada. Art. 278. Qualquer cláusula, condição ou
obrigação adicional, estipulada entre um dos devedores solidários e o credor, não
poderá agravar a posição dos outros sem consentimento destes. Art. 279. Impossibilitando-se a prestação
por culpa de um dos devedores solidários, subsiste para todos o encargo de pagar o equivalente;
mas pelas perdas e danos só responde o culpado. Art. 280. Todos os devedores respondem pelos
juros da mora, ainda que a ação tenha sido proposta somente contra um; mas o culpado
responde aos outros pela obrigação acrescida. Art. 281. O devedor demandado pode opor ao
credor as exceções que lhe forem pessoais e as comuns a todos; não lhe aproveitando
as exceções pessoais a outro co-devedor. Art. 282. O credor pode renunciar à solidariedade
em favor de um, de alguns ou de todos os devedores. Parágrafo único. Se o credor exonerar da
solidariedade um ou mais devedores, subsistirá a dos demais. Art. 283. O devedor que satisfez a dívida
por inteiro tem direito a exigir de cada um dos co-devedores a sua quota, dividindo-se
igualmente por todos a do insolvente, se o houver, presumindo-se iguais, no débito,
as partes de todos os co-devedores. Art. 284. No caso de rateio entre os co-devedores,
contribuirão também os exonerados da solidariedade pelo credor, pela parte que na obrigação
incumbia ao insolvente. Art. 285. Se a dívida solidária interessar
exclusivamente a um dos devedores, responderá este por toda ela para com aquele que pagar. TÍTULO II
Da Transmissão das Obrigações CAPÍTULO I
Da Cessão de Crédito Art. 286. O credor pode ceder o seu crédito,
se a isso não se opuser a natureza da obrigação, a lei, ou a convenção com o devedor; a cláusula
proibitiva da cessão não poderá ser oposta ao cessionário de boa-fé, se não constar
do instrumento da obrigação. Art. 287. Salvo disposição em contrário,
na cessão de um crédito abrangem-se todos os seus acessórios. Art. 288. É ineficaz, em relação a terceiros,
a transmissão de um crédito, se não celebrar-se mediante instrumento público, ou instrumento
particular revestido das solenidades do § 1 o do art. 654. Art. 289. O cessionário de crédito hipotecário
tem o direito de fazer averbar a cessão no registro do imóvel. Art. 290. A cessão do crédito não tem eficácia
em relação ao devedor, senão quando a este notificada; mas por notificado se tem o devedor
que, em escrito público ou particular, se declarou ciente da cessão feita. Art. 291. Ocorrendo várias cessões do mesmo
crédito, prevalece a que se completar com a tradição do título do crédito cedido. Art. 292. Fica desobrigado o devedor que,
antes de ter conhecimento da cessão, paga ao credor primitivo, ou que, no caso de mais
de uma cessão notificada, paga ao cessionário que lhe apresenta, com o título de cessão,
o da obrigação cedida; quando o crédito constar de escritura pública, prevalecerá
a prioridade da notificação. Art. 293. Independentemente do conhecimento
da cessão pelo devedor, pode o cessionário exercer os atos conservatórios do direito
cedido. Art. 294. O devedor pode opor ao cessionário
as exceções que lhe competirem, bem como as que, no momento em que veio a ter conhecimento
da cessão, tinha contra o cedente. Art. 295. Na cessão por título oneroso,
o cedente, ainda que não se responsabilize, fica responsável ao cessionário pela existência
do crédito ao tempo em que lhe cedeu; the same responsabilidade lhe cabe nas cessões por
título gratuito, se tiver procedido de má-fé. Art. 296. Salvo estipulação em contrário,
o cedente não responde pela solvência do devedor. Art. 297. O cedente, responsável ao cessionário
pela solvência do devedor, não responde por mais do que daquele recebeu, com os respectivos
juros; mas tem de ressarcir-lhe as despesas da cessão e as que o cessionário houver
feito com a cobrança. Art. 298. O crédito, uma vez penhorado, não
pode mais ser transferido pelo credor que tiver conhecimento da penhora; mas o devedor
que o pagar, não tendo notificação dela, fica exonerado, subsistindo somente contra
o credor os direitos de terceiro. CAPÍTULO II
Da Assunção de Dívida Art. 299. É facultado a terceiro assumir
a obrigação do devedor, com o consentimento expresso do credor, ficando exonerado o devedor
primitivo, salvo se aquele, ao tempo da assunção, era insolvente e o credor o ignorava. Parágrafo único. Qualquer das partes pode
assinar prazo ao credor para que consinta na assunção da dívida, interpretando-se
o seu silêncio como recusa. Art. 300. Salvo assentimento expresso do devedor
primitivo, consideram-se extintas, a partir da assunção da dívida, as garantias especiais
por ele originariamente dadas ao credor. Art. 301. Se a substituição do devedor vier
a ser anulada, restaura-se o débito, com todas as suas garantias, salvo as garantias
prestadas por terceiros, exceto se este conhecia o vício que inquinava a obrigação. Art. 302. O novo devedor não pode opor ao
credor as exceções pessoais que competiam ao devedor primitivo. Art. 303. O adquirente de imóvel hipotecado
pode tomar a seu cargo o pagamento do crédito garantido; se o credor, notificado, não impugnar
em trinta dias a transferência do débito, entender-se-á dado o assentimento. TÍTULO III
Do Adimplemento e Extinção das Obrigações CAPÍTULO I
Do Pagamento Seção I
De Quem Deve Pagar Art. 304. Qualquer interessado na extinção
da dívida pode pagá-la, usando, se o credor se opuser, dos meios conducentes à exoneração
do devedor. Parágrafo único. Igual direito cabe ao terceiro
não interessado, se o fizer em nome e à conta do devedor, salvo oposição deste. Art. 305. O terceiro não interessado, que
paga a dívida em seu próprio nome, tem direito a reembolsar-se do que pagar; mas não se
sub-roga nos direitos do credor. Parágrafo único. Se pagar antes de vencida
a dívida, só terá direito ao reembolso no vencimento. Art. 306. O pagamento feito por terceiro,
com desconhecimento ou oposição do devedor, não obriga a reembolsar aquele que pagou,
se o devedor tinha meios para ilidir a ação. Art. 307. Só terá eficácia o pagamento
que importar transmissão da propriedade, quando feito por quem possa alienar o objeto
em que ele consistiu. Parágrafo único. Se se der em pagamento
coisa fungível, não se poderá mais reclamar do credor que, de boa-fé, a recebeu e consumiu,
ainda que o solvente não tivesse o direito de aliená-la. Seção II
Daqueles a Quem se Deve Pagar Art. 308. O pagamento deve ser feito ao credor
ou a quem de direito o represente, sob pena de só valer depois de por ele ratificado,
ou tanto quanto reverter em seu proveito. Art. 309. O pagamento feito de boa-fé ao
credor putativo é válido, ainda provado depois que não era credor. Art. 310. Não vale o pagamento cientemente
feito ao credor incapaz de quitar, se o devedor não provar que em benefício dele efetivamente
reverteu. Art. 311. Considera-se autorizado a receber
o pagamento o portador da quitação, salvo se as circunstâncias contrariarem a presunção
daí resultante. Art. 312. Se o devedor pagar ao credor, apesar
de intimado da penhora feita sobre o crédito, ou da impugnação a ele oposta por terceiros,
o pagamento não valerá contra estes, que poderão constranger o devedor a pagar de
novo, ficando-lhe ressalvado o regresso contra o credor. Seção III
Do Objeto do Pagamento e Sua Prova Art. 313. O credor não é obrigado a receber
prestação diversa da que lhe é devida, ainda que mais valiosa. Art. 314. Ainda que a obrigação tenha por
objeto prestação divisível, não pode o credor ser obrigado a receber, nem o devedor
a pagar, por partes, se assim não se ajustou. Art. 315. As dívidas em dinheiro deverão
ser pagas no vencimento, em moeda corrente e pelo valor nominal, salvo o disposto nos
artigos subseqüentes. Art. 316. É lícito convencionar o aumento
progressivo de prestações sucessivas. Art. 317. Quando, por motivos imprevisíveis,
sobrevier desproporção manifesta entre o valor da prestação devida e o do momento
de sua execução, poderá o juiz corrigi-lo, a pedido da parte, de modo que assegure, quanto
possível, o valor real da prestação. Art. 318. São nulas as convenções de pagamento
em ouro ou em moeda estrangeira, bem como para compensar a diferença entre o valor
desta e o da moeda nacional, excetuados os casos previstos na legislação especial. Art. 319. O devedor que paga tem direito a
quitação regular, e pode reter o pagamento, enquanto não lhe seja dada. Art. 320. A quitação, que sempre poderá
ser dada por instrumento particular, designará o valor e a espécie da dívida quitada, o
nome do devedor, ou quem por este pagou, o tempo e o lugar do pagamento, com a assinatura
do credor, ou do seu representante. Parágrafo único. Ainda sem os requisitos
estabelecidos neste artigo valerá a quitação, se de seus termos ou das circunstâncias resultar
haver sido paga a dívida. Art. 321. Nos débitos, cuja quitação consista
na devolução do título, perdido este, poderá o devedor exigir, retendo o pagamento, declaração
do credor que inutilize o título desaparecido. Art. 322. Quando o pagamento for em quotas
periódicas, a quitação da última estabelece, até prova em contrário, a presunção de
estarem solvidas as anteriores. Art. 323. Sendo a quitação do capital sem
reserva dos juros, estes presumem-se pagos. Art. 324. A entrega do título ao devedor
firma a presunção do pagamento. Parágrafo único. Ficará sem efeito a quitação
assim operada se o credor provar, em sessenta dias, a falta do pagamento. Art. 325. Presumem-se a cargo do devedor as
despesas com o pagamento e a quitação; se ocorrer aumento por fato do credor, suportará
este a despesa acrescida. Art. 326. Se o pagamento se houver de fazer
por medida, ou peso, entender-se-á, no silêncio das partes, que aceitaram os do lugar da execução. Seção IV
Do Lugar do Pagamento Art. 327. Efetuar-se-á o pagamento no domicílio
do devedor, salvo se as partes convencionarem diversamente, ou se o contrário resultar
da lei, da natureza da obrigação ou das circunstâncias. Parágrafo único. Designados dois ou mais
lugares, cabe ao credor escolher entre eles. Art. 328. Se o pagamento consistir na tradição
de um imóvel, ou em prestações relativas a imóvel, far-se-á no lugar onde situado
o bem. Art. 329. Ocorrendo motivo grave para que
se não efetue o pagamento no lugar determinado, poderá o devedor fazê-lo em outro, sem prejuízo
para o credor. Art. 330. O pagamento reiteradamente feito
em outro local faz presumir renúncia do credor relativamente ao previsto no contrato. Seção V
Do Tempo do Pagamento Art. 331. Salvo disposição legal em contrário,
não tendo sido ajustada época para o pagamento, pode o credor exigi-lo imediatamente. Art. 332. As obrigações condicionais cumprem-se
na data do implemento da condição, cabendo ao credor a prova de que deste teve ciência
o devedor. Art. 333. Ao credor assistirá o direito de
cobrar a dívida antes de vencido o prazo estipulado no contrato ou marcado neste Código: I – no caso de falência do devedor, ou de
concurso de credores; II – se os bens, hipotecados ou empenhados,
forem penhorados em execução por outro credor; III – se cessarem, ou se se tornarem insuficientes,
as garantias do débito, fidejussórias, ou reais, e o devedor, intimado, se negar a reforçá-las. Parágrafo único. Nos casos deste artigo,
se houver, no débito, solidariedade passiva, não se reputará vencido quanto aos outros
devedores solventes.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *